quarta-feira, abril 14, 2010

domingo, abril 11, 2010

Então está tudo dito meu amor O que é eterno acabou conosco É este é o princípio do fim Mas sempre que te vir eu vou sofrer E sempre que te ouvir eu vou calar Cada vez que chegares eu vou fugir Mas mesmo assim amor eu vou te amar Até ao fim do fim eu vou te amar (D.A.)

ADEUS

Já gastamos as palavras pela rua, meu amor, e o que nos ficou não basta
para afastar o frio de quatro paredes. Gastamos tudo menos o silêncio. Gastamos os olhos com o sal das lágrimas, gastamos as mão à força de as apertarmos, gastamos o relógio e as pedras das esquinas em esperas inúteis. (...) Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro! Era como se todas as coisas fossem minhas: quanto mais te dava mais tinha para te dar. (...) porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis. (...) Já gastamos as palavras. Quando agora digo: meu amor..., já se não passa absolutamente nada. E no entanto, antes das palavras gastas, tenho a certeza de que todas as coisas estremeciam só de murmurar o teu nome no silêncio do meu coração. Eugénio de Andrade

sexta-feira, abril 09, 2010

BASTA!

THE PUSSYCAT DOLLS
I Never Needed You To Be Strong I Never Needed You To Be Pointing out My Wrongs I Never Needed Pain I Never Needed Strain My Love for you Was Strong
Enough You Should Have Known I Never Needed You For Judgement I Never Needed You To Question What I Spent I Never Asked For Help I take Care Of Myself I Don't Know Why You Think
You got a Hold On Me And It's A Little Late For Conversations There Isn't Anything For You To Say And My Eyes Hurt hands shiver So Look At Me And Listen To Me Because I Don't Want To Stay Another Minute I Don't Want You To Say A Single Word Hush Hush Hush Hush There Is No Other Way I Get The Final Say Because I Don't Want To Do These Any Longer I Don't Want You There's Nothing Left To Say Hush Hush Hush Hush I've Already Spoken our love Is Broken Baby Hush Hush I Never Need Your Corrections On Everything From How I act To what I Say I Never Need Words I Never Need Hurt I Never Need You To Be There Everyday I'm Sorry For The Way I Let Go Of Everything I Wanted When You Came Along But I'm Never Beaten Broken Not defeated I Know Next To You Is Not Where I Belong And It's A Little Late For Explanations There Isn't Anything That You Can Do And My Eyes Hurt Hands Shiver So You Will Listen When I Say Baby I Don't Want To Stay Another Minute I Don't Want You To Say A Single Word Hush Hush Hush Hush There Is No Other Way I Get The Final Say Because I Don't Want To Do These Any Longer I Don't Want You There's Nothing Left To Say Hush Hush Hush Hush I've Already Spoken Our love Is Broken Baby Hush Hush At first I was afraid I was petrified I kept thinking I could never live without you By my side But then I spent so many nights Just thinking how you've done me wrong I grew strong And I learned how to get along I will survive Yeah As Long as I know how to love, I know I'll be alive I've got all my life to live I've got all my love to give I will survive, I will survive Yeah, yeah Hush Hush Hush Hush There Is No Other Way I Get The Final Say I Don't Want To Do These Any Longer I Don't Want You There's Nothing Left To Say Hush Hush Hush Hush I've Already Spoken Our love Is Broken Baby Hush Hush

quinta-feira, abril 08, 2010

foto © Anika Volans Morre-se de tanta coisa Quanto a mim morro-me de ausência... morro-me com todo este céu a cair-me por entre os dedos; pedacinhos de memória pendurados... morro-me também... da melancolia,... ah sim, também se morre de silêncio Victor Oliveira Mateus, A noite e a voz (ver mais aqui)
imagem
Às vezes vêm de muito longe: de fatigadas viagens, de mortes prematuras, de excessivas solidões. Mas vêm. E trazem a inicial pureza das fontes. E a lâmina do silêncio. E a desordem da noite. E a luz extenuada do olhar. Tão cúmplices, as palavras. De O silêncio: lugar habitado, 2009
imagem aqui
como fugir
daqui
se não posso
fugir
de mim
Daniel Sant'Iago, aqui
o que não foi destruído ficou em silêncio
mas reparem: só o que perece não dói
a dificuldade é incinerar o que fica
o passado é pouco combustível
mas os dedos, como os nós, também se cortam
mas como dividir o que é inteiro
onde rasgar, em que linha imaginária
se ainda hoje todos os decretos
foram decretados nulos
foto daqui
... e de novo entre nós aquele choro
de quem não teve tempo de preparar
despedida com palavras certas,
porque as palavras certas
estavam todas em histórias erradas...
(desconheço a autoria)

quarta-feira, abril 07, 2010

há noites assim em que o silêncio
se transforma de leve numa lâmina
que minuciosamente rasga o linho
onde ficou esquecido o corpo
que habitávamos em provisórias madrugadas felizes
imagem aqui, texto aqui
... e já não posso adiar por mais tempo
as palavras que sempre soube terem
um prazo secreto de validade
para nos ferirem de morte...