segunda-feira, dezembro 04, 2006

Nicola_Rinaldi3 foto: Nicola Rinaldi O meu amor faísca na medula,... É todo fome, e eis que repete a gula... O meu amor, paralisado, pula... Pulula, ulula... O meu amor é tudo que, morrendo, não morre todo, e fica no ar, parado. Carlos Drummond de Andrade

Nenhum comentário: